16 de nov de 2005

Memórias II

Consciência-Mundi
Fevereiro de 2005

Todos sabemos daqueles momentos em que sentimos, como diria aquela música, todo o peso do mundo em nossas costas. O mundo desaba sobre nossas cabeças, nos fazendo ficar pesados, lentos, estáticos num cotidiano frenético. Pára tudo: preciso juntar os meus pedacinhos que restaram no chão. Não é nada fácil.

Mas meu ponto, aqui, é outro: quando se tem consciência que o mundo só desabou porque você deixou de segurá-lo. Que você só parou porque ficou com preguiça. E pior: sabia disso. De repente, você se vê triste... Reclamando que nada acontece na sua vida ordinária. Sim, mais um dia como outro qualquer. Acorda, come, trabalha, almoça, trabalha, volta pra casa, joga suas responsabilidades para amanhã, toma banho e dorme. Simples assim. Nada no caminho pro trabalho. Nenhuma paquera de ônibus. Nenhum incidente no trabalho. Só o trabalho em si. Nada de novo em casa. Nenhum pensamento novo no banho. Nem me lembro do que sonhei hoje.

E porque? Uns três meses de introspecção não me foram ainda suficientes: eu ainda não sei. Mas sei que fui eu mesmo que me meti nisso. Sem saber sabendo, parodiando Chaves. Eu sabia que acordava mais tarde do que queria. Sabia que queria ir na auto escola marcar meu exame de legislação. Eu sabia que queria fazer um exercício pra cuidar de mim. Sinto falta de alguém cuidando de mim, até mesmo se for eu fazendo isso.

Na mente, pensamentos cada vez mais complexos e emaranhados. Me compliquei no meu próprio raciocínio há muito tempo. Todo dia desenvolvo uma teoria nova, construída em cima da anterior. E sei que nenhuma delas poderá jamais ser provada. Tanta complexidade me levou ao fechamento: não compartilho mais a minha linha de raciocínio das coisas, nem mesmo com as pessoas que pudessem ter a capacidade de entendê-la. Me sinto com medo, repreendido pela opinião alheia, quero ficar só nas minhas teorias, autista, onde ninguém possa tocá-las e me fazer parecer um idiota diante da realidade simples e corriqueira. Nada de equações, motivos e razões: é por que é.

Meu coração é gasoso, com um forte poder de concentração. Bastante arisco, esse gás. Ocupa todo o meu corpo, e só reage ante certas situações (que foi a palavra que achei para substituir "pessoas", só que no singular). Moleque levado.

Tudo isso, e eu nem sequer esboço uma reação. Nada. Sim, amanhã vou acordar cedo. Pi-pi-pi, o relógio desperta, eu olho pra ele e penso "ah, ainda tenho muito tempo", desligo o relógio e viro pro outro lado. O que eu estava sonhando mesmo?

Rogério e suas Águas amestradas sabiam das coisas. "Cansado de deitar ao sol, você fica em casa pra ver a chuva. Você é jovem e a vida é longa, há tempo para matar hoje. E um dia você descobre que dez anos estão às suas costas e ninguém te disse a hora de correr."

É isso o que mais dói: ter plena consciência de que, definitivamente, estou perdendo o tiro inicial.

5 comentários:

rocks disse...

Da. I feel your pain.

Rita disse...

Hmmmmmm, que triste.
Tem jeito de não ser assim?
Eu prefiro se puder ser de outro jeito.
Gosto mais de drama que de tédio...

Daemon disse...

STONITH -
Shoot The Other Node In The Head.

O que isso tem a ver com o seu post?
Provavelmente nada.

Ana disse...

Gude, eu sei que tenho mania de dar soluções para tudo. Mas "sinto falta de alguém cuidando de mim, até mesmo se for eu fazendo isso" é a frase.
Pensa nela mais :)... Não deixa passarem 10 anos, mas também não se espante por 3 meses, dá tempo de virar o jogo.

Tem uma crônica, acho que é do Veríssimo, em que ele fala: "faz alguma coisa, marca hora no dentista". Aí, pelo menos uma novidade ortodôntica vc tem, né?

Gude disse...

rock 'n roll: Doido. Mas tranquilo, esse texto é velho.

ritz: Eu também. Talvez seja por isso que eu esteja numa fase de "drama cômico". :)

mestre dá-ê-mon: "Bang bang/He shot me down/bang bang/my baby shot me down." - Nancy Sinatra

cher: Foi exatamente o que eu fiz. :) Lembrem-se de que este texto é uma memória, é de fevereiro deste ano. Eu já não estou assim mais, mesmo porque eu já tenho carteira. Quanto ao dentista, segunda-feira o mago vai derrotar o malvado Transpaladino! :)